28 março 2007

"Deu-me um tontapé na orelha!"

Foi assim que a Camila reagiu ontem à noite quando sentiu o bebé pela primeira vez. Já tinha tentado mais vezes que ela o sentisse, pondo a mão dela na barriga, ela dizia que sentia mas eu fiquei sempre na dúvida. Ontem, estava, por acaso, com a cabeça no meu colo e sentiu de certeza, tal foi o ar de espanto que ela fez, foi lindo, ficou toda feliz por receber um "tontapé"!

E porque a roda da vida continua a girar,...

... trazendo a sucessão natural de bons e maus momentos, encontramo-nos agora em contagem decrescente para um dos eventos familiares positivos do ano, o casamento do meu irmão, já no próximo sábado. A Camila anda excitadíssima com o seu vestido novo para o casamento do padrinho e da J., que ela adora, e por ser a menina das alianças junto com a I., sobrinha da noiva. Os preparativos e a chegada da família emigrante ajuda a aligeirar o ambiente do nosso "condomínio familiar", pelo menos por estes dias. Eu só espero que não chova e não faça muito, muito frio porque o meu elegante vestido de "baleia" grávida de 6 meses é de seda bem fininha, aiiii! :D
A reacção da Camila à morte do bisa vai aparecendo aos bocadinhos. Eu já a vinha preparando, dizendo-lhe que ele estava no hospital e que estava muito doente, às vezes falava-lhe da morte, através dos exemplos das flores e dos animais. Respondi e respondo sempre a todas as perguntas que ela faz, tentando evitar explicações complicadas, valeram-me também as dicas de uns psicólogos meus conhecidos.
No domingo, depois de receber a notícia, contei-lhe que o avô Zé tinha morrido, que não o iríamos ver mais porque se transformou numa estrelinha do céu. E que se ela visse as pessoas tristes ou a chorar, para não se preocupar porque não era por nada que ela tivesse feito, era porque tinham saudades dele, porque vamos todos ter saudades dele. Só perguntou se ele tinha morrido no hospital onde o mano vai nascer, respondi-lhe que não, que havia um hospital para os senhores velhinhos e outro para nascerem os bebés, onde nascera o bebé da M. na 4ª feira e onde vai nascer o nosso. Ficou satisfeita e foi passar uma tarde de brincadeira a casa de uma amiga da escolinha, mas à noite teve alguma dificuldade em adormecer.
Na segunda, foi à escola de manhã e à tarde foi para casa da madrinha, brincar com o primo D.. Quando a fui buscar, depois do funeral, levei-a a ver a minha mãe e a minha avó, que se portaram muito bem diante dela, sem lamentos nem choros. Já em minha casa, quando brincava com a prima B., vira-se para ela e diz, a sorrir: "O vô Zé morreu! " como se lhe estivesse a explicar. Eu disse-lhe: "Pois foi, filhota..." e ela:"E agora é uma estrelinha no céu!". Elogiei-a:"Sim, tens razão, percebeste tudo muito bem."

Ontem à noite, quando já ía a sair do quarto depois de a deitar, ouço-a dizer:
-"Tá ali uma estelinha!"
Eu:-"Onde?!"
Ela:-"No meu tecto."- ela tem daquelas estrelas de plástico fluorescente coladas ao tecto, no momento nem associei.
Eu:-"Pois tens, muitas estrelinhas..."
Ela:-"É o avô Zé."
Percebi que ela queria falar, fui abracá-la, perguntei-lhe se tinha saudades dele e ela disse que sim. Perguntou-me:-"Puque é que a bisa não morreu também?"
Eu:-"Porque não está doente, ainda vai ficar connosco para lhe darmos muitos mimos."
Ela:-"Mas agora tem que arranjar outro avô!"
A lógica das crianças é linda! Sorri e disse-lhe que "Talvez, um dia". Deitei-a de novo e adormeceu num instante.

Ela não está sempre a falar do assunto mas, nestes momentos, apercebo-me que ela sente mais do que consegue demonstrar. Eu vou falar no bisa sempre que ela quiser, até porque gostaria que ela o guardasse na memória, as brincadeiras com ele, os bolinhos, as passas de uva e as pevides que ele comprava só para ela no mercado da 5ª feira. Foi uma privilegiada por conviver com um bisavô e quero que ela se aperceba do valor que isso tem.

27 março 2007

Obrigada pelo carinho das vossas palavras. Uma perda é sempre dolorosa, conforta-me pensar que o meu avô deixou de sofrer o que andou a sofrer nestes últimos dois meses, mas vai custar a habituar à ideia da sua ausência, de não o ver sentado à porta de casa com a minha avó e de não ver mais o sorriso que o iluminava assim que punha os olhos em cima da Camila. Não foi um avô assim do mais carinhoso ou compreensivo, tinha os seus momentos, como toda a gente. Conseguiu brincar com os 4 netos até ao momento em que começávamos a crescer e a contrariá-lo nas suas ideias, aí desatinava um bocadito. Da bisneta aceitava tudo, rendeu-se completamente à sua menina e ela a ele.
Ontem coloquei junto a ele duas tulipas brancas do meu jardim, nascidas na terra que ele me deu para eu construir a minha casa, uma parte da terra que ele tantou trabalhou para conseguir e à qual estava tão apegado que o fazia ter, por vezes, atitudes insensatas. Levou-as com ele para o belo jardim onde eu acredito que ele está e onde um dia nos encontraremos outra vez.

25 março 2007

A chama apagou-se... finalmente descansas...

... até um dia, vô Zé!

22 março 2007

O 1º dia de Primavera e Dia da Árvore,...

... resultou, na escolinha:
- a plantação de uma árvore no jardim;
- a sementeira de umas flores num vaso com o nome de cada um dos meninos;
- o lanche com os amigos da esola primária, usando, no percurso, uma máscara de flor.

Muita actividade, portanto. Mas o raio dos calções ainda não lhe sairam da ideia, xiça, que é teimosa!

O círculo cresce!

Ontem, nasceu mais um membro do nosso grupo de amigos-assim-como-se-fossem-família! A minha grande amiga M., que acompanha a minha vida (e eu a dela) desde a 2ª classe, teve o seu segundo príncipe no dia da Primavera, um dia frio mas cheio de sol! Bem-vindo, amiguinho, daqui a uns meses terás aqui mais um/a parceiro/a para esta aventura que é a vida!

21 março 2007

"Ó mamã,...

... mas a I. disse na escola que hoje é Pimavera, por isso tenho que vestir uns calções e uma camisola d'alças!"

Ah, pois é, filha, com este frio, é já a seguir!

Para a semana,...

... nós vamos ver! Acho que a Camila (e a mãe também, porque não?!) vai adorar!

Temos bebés!

Calma, não é o meu :)! Foi a "peixa" Catarina que pariu ontem, no aquário da Camila. Conseguimos contar 14 mas, hoje de manhã, já só conseguimos ver 2, já se esperava porque a probabilidade de sobrevivência não era muita. Ou estão escondidos dentro das conchas ou foram comidos pelos outros ou foram aspirados pela bomba de recirculação de água :S.
Para a posteridade, fica a foto possível de um deles:



E uma foto actualizada do aquário, com o seu novo cenário da Ariel:

20 março 2007

A Camila está melhor das anginas, hoje voltou à escola. Mas as refeições têm sido um inferno, desde o pequeno-almoço ao jantar, fica pasmada a olhar para o prato, começa a chorar se lhe começamos a dar à boca, enfim!... Acho que não é só por estar doente, já andava assim antes. Para mim, é uma maneira que ela arranjou para reter a atenção toda nela, já deve estar a sentir a ameaça do/a mano/a. Mas é a pior maneira que ela podia ter inventado nesta altura, só cria desespero em ambas as partes (pais e filha), acaba tudo em choro e berro! Não sei o que faça, a paciência esgota-se e quem paga o pato acaba por ser este pequenino aqui dentro, que nem tem nada a ver com o assunto! E só de pensar nisso, ainda mais desesperada fico... :((

Ontem foi dia de consulta...

... e de dar uma espreitadela aqui ao inquilino, coisa mai linda! Vi bem a carinha, tem um nariz batatudito como a mana tinha, e, do que deu para ver, está tudo bem. Está muito descido, o que explica o desconforto que sinto ao usar a cinta e que todos os movimentos sejam mesmo no fundo da barriga, já está com a cabeça a jeito e a sô doutora diz que já não deve mudar de posição. Fiquei um pouco preocupada, se não seria cedo de mais, mas ela disse-me para ficar descansada, não havia nenhum sinal de alarme em relação a um possível parto prematuro, tudo muito fechadinho. Aumentei 3 kg (!) este mês, foi o descalabro, acho que a minha meta do máximo de 10 vai ser ultrapassada, já cá cantam 7, schuiff, schuiff!

Miminho atrasado,...


... mas sempre actual, porque o Pai "mais melhor" do Mundo merece-o todos os dias!
(e porque também é um marido muuuito querido que fez muito trabalhito em casa este fim-de-semana e vai fazer também no próximo, pois é? ;) )

16 março 2007

Isto "tá-se a compôr"! :S

A senhora que me faz umas horas de limpeza à sexta à tarde ligou a dizer que está com uma infecção pulmonar, que quase teve que ser internada, e que, logicamente, não irá hoje nem para a semana, pelo menos. Prevê-se um "grande" fim-de-semana, vale-me o maridão estar de folga, né, môr? ;)

Com as amplitudes térmicas destes dias,...

... de 2ºC a 22ºC, a Camila "ganhou" direito a mais uma ida ao médico, está com febre desde ontem, que baixa muito pouco com a medicação, e a garganta inflamada, ficou com a avó no centro de saúde. Ainda nem há um mês tomou antibiótico, bolas! :S

Actualização: Anginas, com garganta cheia de pus. Sai mais um antibiótico, agora com sabor a morango :S

As conversas difíceis continuam...

Depois de falarmos nos peixes do aquário que morreram:
Ela:"-E as pessoas, morrem como?"
Eu:"- Ehh... morrem quando o corpo está muito cansado e velhinho, quando o coração pára de bater."
Ela, muito descontraída:"- Então a bisa e o vô Zé vão morrer, já são velhinhos! E depois, vão para onde?"
Eu:"- A bisa não está doente, o vô Zé é que está ... depois, transformam-se numa estrelinha e vão para o céu."

(pelo que me informei, esta seria a explicação mais adequada para 4 anos... não sei se falo bem ou mal, acho que ela não entenderia explicações mais complicadas... tenho muitas dúvidas e receio de errar :( )

-----

Ontem, ao jantar:
Ela:"- O vô Zé nunca mais vem pra casa, mamã?"
Eu:"- O bisa está no hospital, está muito doente, tem que estar no hospital."
Ela:"- Se calhar, vai morrer, não é, mamã?"
Eu:"- Não sei, filha."
Ela:"- Ou, se calhar, fica lá no hospital até ao Verão, até ao mano nascer!"
Eu:"- O vô Zé já não está no mesmo hospital onde o mano vai nascer, está noutro para os senhores."
(aqui menti, ele está no mesmo hospital onde, em princípio, este bebé irá nascer, mas quero evitar que ela associe o mesmo lugar aos dois acontecimentos)

Isto não está nada fácil! :((

15 março 2007

Este bebé demorou a fazer-se sentir, mas agora compensa-me, estes últimos dias têm sido um festival de pontapés! Ainda suavezinhos, sem magoar, daqueles que nos fazem sorrir por dentro, tudo o que eu preciso agora...
Desde as 20 semanas que sinto que o tempo está a passar a correr e, pior, que não estou a gozar esta gravidez como devia, infelizmente por factores alheios à minha vontade. Ainda há "uns dias" era a barrinha nº 69 daqui e agora já sou a nº 35! Queria tanto que o relógio andasse mais devagarito (acho que ando a repetir-me um bocado nestes pedidos!)...

14 março 2007

Camila, 4 anos:

- 16,1 kg e 105 cm, mais alta que gorda, está muito bem assim e tem uns olhos lindos, palavras do sô doutor, ontem na consulta de rotina :)
- come de quase tudo, não consegui ainda fazê-la comer legumes crus em salada (isto é tema para um próximo post). Adora massa e come tão bem peixe quanto carne. Não é muito gulosa, um chupa serve para dar 2 ou 3 lambidelas e perde o interesse, gosta mais de chocolate (é filha da mãe dela, pois!)
- consegue vestir-se, calçar-se, comer e lavar os dentes sozinha. Claro que, às vezes, tem uns acessos de "Não consigo!", que, suspeito, se vão tornar mais frequentes com a chegada do bebé, ai, ai!
- exprime-se correctamente, só raramente se engana com algumas formas verbais ("pusi" em vez de "pus", por exemplo) e há algumas palavras que ainda não saem perfeitas mas que eu acho que até têm mais piada da forma como ela as diz: milhareiro para mealheiro, pastlicina para plasticina, frigorístico para frigorífico :). Conhece alguns algarismos, sabe contar quase certinho até 20 e reconhece e escreve o nome dela.
- é alegre, irrequieta e traquinas q.b., teimosa mas razoável, não é muito difícil fazê-la aceitar um não, sendo bem explicado. Tem a imaginação sempre à solta, é carinhosa, não há dia em que não me ofereça uma flor ou uma erva que apanha na rua. É uma menina saudável e feliz, não peço para ela mais nada além disto!

Os festejos...

... foram simples mas, penso eu, suficientes para a Camila se sentir a rainha do dia! Teve uma pequenina festa à tarde com 4 amiguinhas da escola. Como o dia estava lindo, deu para brincarem no jardim, fartaram-se de dançar (inevitavelmente, deliraram com o CD da Floribela, não consegui evitar :) ), lancharam e brincaram mais ainda.


O bolo de aniversário foi da Cinderela, o ídolo do momento:

À noite, partilhámos o bolo com mais uns familiares e amigos e veio a excitação de desembrulhar os presentes: DVD da Pequena Sereia e A Dama e o Vagabundo, dois perfumes, roupa muito gira, uns brincos, dinheiro, livros, um ferro de passar a roupa, um conjunto de boiões de plasticina, um rádio-karaoke, uma Barbie ou Steffi ou coisa assim vestida de noiva, uma caixa de contas coloridas para fazer colares e o mais giro de todos (porque foi os pais que deram :) , com a ajuda dos avós maternos):
Um aquário! Com 3 peixinhos sobreviventes de 7 comprados no dia anterior (bichos sensíveis, os peixes!), e mais uma "peixa" grávida, oferecida por uns amigos, e que já estão batizados pela Camila e por mim:

O Eugénio, de crista vermelha; O Tigre, o limpa-fundos;

O Ajax, limpa-vidros; A Catarina, a peixa

Na segunda-feira, foi a vez de levar o bolo para a escolinha. Fiz um bolinho caseiro, de chocolate decorado com gomas e pintarolas, que agradou a todos os meninos, pelo menos não sobrou nada e até pediram para repetir!

As prendinhas para os colegas (não acho muita piada a esta moda, mas acabei por entrar nela :S) foram um anel de fantasia, um par de ganchos e um chupa para as meninas e um carrinho e um chupa para os meninos, para fugir um pouco ao saquinho de guloseimas da praxe.

Foi um belo aniversário, ela ficou contente e é isso que importa. Só espero que o ano que falta até ao próximo passe bem devagaaaar :D!

10 março 2007


Feliz Aniversário, minha Flor

09 março 2007

Huummm!

Já cheira a Primavera!!!
Depois dos enjôos, a azia! Muita azia, a todas as horas do dia, aiiii!
Aceitam-se dicas caseiras para combater a dita.

08 março 2007

Faltam dois dias...

... para o 4º aniversário da minha filha! Ando a repetir isto para mim desde que acordei, preciso de me mentalizar :). Por acaso, hoje vesti a blusa que tinha vestido no dia em que fui para o hospital com perda de líquido, faz amanhã 4 anos (mais uma repetição). Comentei com o marido e ele já não se lembrava desse detalhe, mas eu lembro que, há 4 anos (outra vez!), era isto que levava vestido. Lembra-se de se despedir de mim e de me deixar numa cadeira de rodas, um pouquito chorosa mas calma, porque eu ía passar lá a noite sossegada, à espera que as contracções e dilatação aparecessem por sua livre vontade. O que não aconteceu e lá teve que vir a ocitocina para a veia fazer o serviço, faz, daqui a dois dias, 4 anos (mais uma!). Lembro-me de todos os passos, horas e minutos, da última noite com ela dentro de mim, do quanto conversei com ela nessa noite, há quase 4 anos (:D). E acho que vou ainda me vou lembrar de tudo, da mesma forma, quando ela fizer 40!

24 semanas

A minha silhueta de "sereia" :) ... o toque dos manos, com a minha pele pelo meio...
... "Deixa lá ouvir o que se passa aí dentro!"... Um colinho aos meus dois bebés...

02 março 2007

17 Anos

É a idade que a minha querida afilhada e prima E. completa hoje, às 23h50. Ainda me vejo, com 15 anos e ela ao meu colo, uma coisinha linda e pequenina que despertou em mim os primeiros instintos maternais. Devido ao trabalho dos pais, praticamente foi criada em minha casa até começar a ir para a escolinha aos 5 anos e, por isso, temos uma ligação muito forte, que não se desvaneceu com a minha saída de casa para estudar para fora nem com o meu casamento nem com o nascimento da Camila. Vai ser sempre a minha menina, hoje já grande, maior do que eu, já com o seu namorado, com as suas ideias feitas (nem que seja por uns minutos, que isto na adolescência é tudo muito volátil ;) ), mas, sempre, a menina da madrinha. Parabéns!
À 1h30, acordamos com a Camila a chorar, um choro sofrido, de quem acaba de passar por algo horrível durante o seu sono. Foi difícil acalmá-la, foi preciso muito mimo e o quentinho do colo para que o choro fosse dominado pelo sono. Ela não falou, não disse o que a tinha assustado. Imagino eu que terá a ver com a ida do bisa ontem para o hospital, com o porquê de ele ficar lá, pelo menos por esta noite, e o porquê de ele estar tão doente, com o facto de eu ir ter o bebé no mesmo hospital... porque toda a conversa dela da hora de jantar girou à volta destes temas, aquela cabecinha não pára e anda com a sensibilidade à flor da pele.
:S
Dói-me a cabeça, estou com um humor de cão, queria tudo menos estar a trabalhar, só penso em dormir, mas o sono não me traz descanso... Acho que este bebé merecia outra gravidez, mais calma, mais alegre... eu tento e vou conseguindo, mas, às vezes, as forças faltam. Desculpa a mãe, bebé!

01 março 2007

Conversa da manhã:

-"Hoje tenho que ir acabar o meu palhaço, é o meu tabálho!"
-"Entretanto, deves começar a fazer uma prenda para o Dia do Pai, está quase."
-"Dipois é o Dia da Mãe?"
-"É depois, mas ainda falta um bocado."
-"E o Dia dos Filhos, é quando?!"

:))