30 outubro 2007

Há rituais que fazem parte da minha vida desde a infância, as merendeiras dos Santos é um deles. Por aqui, é tradição fazerem-se, nesta altura, uns bolos com frutos secos e os da minha mãe são do melhor, modéstia à parte. Quer dizer, para mim o que é mesmo, mesmo bom nem é tanto o resultado final mas a massa crua, enquanto está a levedar. É da praxe, todos os anos vou roubar massa crua ao alguidar e tenho que comer até ficar mal-disposta, senão não tem graça nenhuma :)! É que aquilo depois continua a fermentar no estômago e passo o resto do dia um bocado agoniada, mas é assim que tem que ser, para ter o mesmo gostinho de antigamente, quando eu e o meu irmão passávamos a manhã a surripiar massa do alguidar e, consequentemente, passávamos a tarde todos enjoados :D. Hoje já como à frente da mãe e em menos quantidade, mas continua a saber tão bem!
A Camila foi a ajudante da avó este ano. O que ela gosta é de espalhar farinha por todo o lado, mas também meteu a mão na massa e fez umas merendeirinhas pequeninas muito giras. Sinto-me tão feliz por ela ter estas experiências enriquecedoras das suas memórias de infância, para mim isto também faz parte da qualidade de vida que quero proporcionar às minhas filhas.

29 outubro 2007

Cá por casa, ...

... tudo com o pingo no nariz, graças a este tempinho de caca, em que faz um frio de rachar de manhã e à noite e, a meio do dia, um calor maluco! A Mafalda ainda escapa, só fica um bocadinho entupida durante a noite, menos mal. :S

26 outubro 2007

Já está...

... e não doeu muito, o regresso ao trabalho! Não me posso queixar, estou no máximo 3 horas sem estar com as minhas meninas, reconheço que sou uma sortuda. É claro que custou um bocadinho largar a Mafalda de manhã (a Camila já tinha ido para a escola), é que, vendo bem as coisas, há mais de um ano que ela anda "colada" à minha pele, primeiro por dentro, depois por fora :)! Mas ficou bem entregue ao seu papá, que é do melhor ;)!
À hora do almoço, apercebi-me que me doía a cabeça, a minha teoria é que houve partes do meu cérebro que estiveram a preguiçar um pouco nestes 4 meses e meio, enquanto outras trabalhavam mais, e, como estive toda a manhã a receber informação para me "pôr em dia", essas secções que estavam de folga ficaram cansaditas, coitadas :D! Tive a forte impressão, quando entrei no meu local de trabalho, de que tinha acabado de sair de lá "ontem", vi-me tão nitidaem com o meu barrigão de quase 37 semanas a arrumar as papeladas e a deixar tudo ordenado para a chefe... saudades! O tempo voou mesmo...

(Eu não trabalho só 3 horas, são 2h30 de manhã, venho almoçar a casa e depois são 3 horas à tarde)

25 outubro 2007

Dormimos melhor esta noite. Acho que o problema da Mafalda é mesmo a dificuldade em voltar ao sono profundo, ela nem dorme muito durante o dia e acho que também não é fome.
Ontem deitei-a às 22h30 e, às 02h30 (um ciclo de 4 horas, como explica o Brazelton*), já estava ela a começar a espernear e a mexer-se toda. Desta vez, não a pus à mama como vinha fazendo, acho que era um erro que estava a cometer, ela mamava 4 ou 5 minutos e voltava a adormecer, mas assim não estava a ajudá-la a aprender a adormecer sozinha. Aconcheguei-a, entalei bem a roupa da cama de lado para fazer tipo um casulo, dei-lhe a chupeta (uma data de vezes) e ela acabou por voltar a pegar no sono até às 5 da manhã. Aí, dei-lhe mama porque acordou de uma forma diferente, vi que tinha fome e é a hora a que normalmente mamava nos outros dias. Não adormeceu completamente a mamar e voltou a ser difícil ela voltar ao sono profundo, mas lá conseguiu, ao fim de uma horita.

(* "Para um bebé conseguir dormir a noite toda, tem de estar apto a alternar várias vezes entre ciclos de sono profundo e sono ligeiro....De 3 em 3 ou de 4 em 4 horas atingimos um estado mais activo, próximo do despertar.... À medida que um bebé passa para o sono ligeiro, é provável que chore, fique perturbado e se revire na cama.... Enquanto chora e dá voltas, fica cada vez mais agitado. Se tiver um padrão de autoconforto, como chupar no dedo ou numa manta ou se conseguir "aninhar-se" numa posição confortável, ficará novamente sossegado.... Nestes ciclos de 4 em 4 horas, os bebés chegam a um estado de vigília total. Muitos choram, como se tivessem dores ou medo. Não estão despertos, mas podem acordar devido ao seu comportamento agitado e descontrolado. Os pais acham estes períodos muito difíceis. Sentem que têm de ir ajudar o filho a sossegar.... Se lhe pegarem para lhe dar de comer, mudá-lo e acalmá-lo, ele não aprenderá a sossegar e a voltar a adormecer por si só. Compreender estes padrões e o efeito que eles têm sobre o bebé ajudará os pais a manterem-se fora de um ciclo que ele deve aprender a dominar sozinho...." in O Grande Livro da Criança, Cap. 6-Quatro meses)

24 outubro 2007

Esta noite...

... foi das 4 às 7 da manhã sem dormir! Tá bonita, tá!
A gajinha não chora, não, ela acorda, esperneia, cospe a chupeta e lambe as mãos, dá gritinhos, ensaia guinchos e choro a fingir, raspa as unhas no bordado do protector das grades (ai o que este som me irrita!)... Eu levanto-me, tapo-a de novo, sussurro-lhe que durma (nas últimas vezes já era um sussurro muito pouco doce!), ela fica quietinha 30 segundos e depois recomeça tudo outra vez, foram 3 horas nisto. Deu-me vontade de agarrar em mim e na minha almofadinha, ir dormir para o outro quarto e deixá-la a fazer festa sozinha (o pai estava a trabalhar), ai se deu! O que é que eu lhe faço?! Aceitam-se sugestões.
Agora de manhã dormiu 3 horas, claro, está com o sono atrasado. E eu também... Zzzz Zzzz

23 outubro 2007

Para compensar,...

... tem dormido umas belas sestas em casa da avó, sem sessões de choro à mistura. Menos mau!
(embora eu ande apertadinha cá dentro na mesma, é aquela sensação estúpida e irracional, sabem, de que ninguém, nem pai, nem avó, toma conta do nosso bebé tão bem como nós! imagino o que seria se ela fosse para uma creche ou ama...)
A dona Mafaldinha parece que anda a adivinhar que a mãe vai trabalhar não tarda nada! Há duas semanas para cá, andava a fazer uns horários de mamada certinhos, completamente compatíveis com o meu horário de trabalho, nem seria preciso deixar leite tirado à bomba, eu estava feliz da vida! Estava, porque desde o fim-de-semana passado que a madame decidiu trocar-me as voltas, acorda duas vezes por noite quando já só acordava uma, e está com os horários de dia todos trocados! :S
Quando acorda de noite, está que tempos a espernear, parece ter dificuldade em conciliar de novo o sono. Segundo o amigo Brazelton, isto é normal nesta fase dos quatro meses, é uma fase muito importante em que eles adquirem esses mecanismos de conciliar o sono quando chegam a uma fase mais leve do ciclo de sono, parece-me que está a ser uma fase difícil para a Mafalda. Não sei se é a fome que a acorda, se é a respiração (que às vezes descai para o ressonar ;), o pai, claro, eu não!) dos papás, sei que têm sido umas noites duras! E sexta-feira aí tão perto... (sim, vou começar à sexta, para o fim-de-semana amortecer o choque!)

21 outubro 2007

A Camila tem a mania que tenho que lhe responder a tudo, seja pergunta seja afirmação. Quando pergunta, eu respondo mas quando afirma qualquer coisa, à qual eu não tenho nada a responder, a não ser concordar/discordar com ela, ela repete essa mesma afirmação n vezes, até eu dizer qualquer coisa. Normalmente, sai um irritado:"Já ouvi, Camila, não sou surda!" e ela: "Mas tens que me responder, eu digo e tu respondes!". Já lhe expliquei um cento de vezes que tenho que lhe responder quando ela faz uma pergunta, de resto posso responder ou não, mas isto não entra naquela cabecinha pequenina mas dura e teimosa: "Mas eu quero que me respondas!". Ai, que nervos!
Geralmente, irrito-me com esta mania, mas ontem de manhã deu para rir porque a minha gajinha é teimosa e tal mas tem sentido de humor. Perguntei-lhe:
"-O que é queres para o pequeno-almoço?"
"- Uma caneca de leite com cereais."
Como eu não disse "ok, está bem" ou qualquer coisa assim, continuou:
"- Uma caneca de leite com cereais."
"- Uma caneca de leite com cereais."
Perante o meu silêncio e "aquele" olhar que lhe lancei, diz, a rir:
"- Assim, já são 3 canecas com cereais, não é, mamã?"
Desmanchei-me a rir, não deu para aguentar! :))

19 outubro 2007

Procura-se:

Centro de Desintoxicação para Tratamento da Depedência da Mãe!
A Mafalda está viciada, muito viciada na sua mamã, e prevejo que, daqui a uma semana, quando começar a trabalhar, a ressaca seja grave, muito grave! :S

(ontem esteve uma hora em casa da avó sempre a chorar e ela teve extrema dificuldade em conseguir acalmá-la minimamente, tou tramada ca miúda!)

16 outubro 2007

Hoje fomos à consulta dos 4 meses, pesa 5,600 kg, mede 60 cm de comprimento e 41,5 cm de perímetro encefálico. Estava ansiosa para que o médico fizesse a manobra da anca e, desta vez, felizmente, não houve click's! :) Falámos da alimentação, disse que tinha a intenção de amamentar em exclusivo até aos 6 meses mas já fiquei com a lição dada com as várias etapas da introdução dos sólidos, para o caso de ter que começar antes dos 6 meses. A Mafalda ainda não segura bem a cabeça e mostrei-me preocupada com isso, mas o médico diz que ela tem um bom tónus muscular, é rijinha e logo, logo vai conseguir fazê-lo. É que a cabeça dela é para o grandote, mas nada de anormal, anda sempre no P50.
Depois, foram duas picas, uma em cada perna, para terminar uma tarde em beleza em que ela chorou a toda a hora, desde que a despi para a pesar e medir, passando pela marquesa do médico até às vacinas, foi uma tarde mázinha, nem a estava a reconhecer :S. Agora dorme, espero que amanhã já esteja no seu normal, a minha bonequinha sorridente. :D
O que mais me custa na maternidade não são as noites mal dormidas, as fraldas fedorentas, a mudança na vida social, o não ter paciência para tudo o que queria... o que mais me angustia é saber que é impossível controlar os passos das minhas filhas que as possam vir a fazer sofrer, viver no medo de algo lhes acontecer sem que eu possa evitar. Não vivo obcecada com esse medo, isso não seria viver. Mas, às vezes, acontecem certas coisas que trazem esse medo ao de cima com a força da lava cuspida por um vulcão e que me deixam descontrolada e completamente atordoada por me sentir tão descontrolada.
No domingo, no regresso das mini-férias, a Camila abriu a porta do carro em andamento em plena auto-estrada. A porta dela costuma estar trancada para só abrir por fora mas, nestes dias de passeio, eu costumava dar mama à Mafalda no banco de trás e destrancava-a, voltando a trancá-la depois, excepto a na última vez :S. Não sei explicar o que senti quando ouvi o silvo do ar a passar na fresta da porta, que não abriu graças à velocidade a que íamos, torci o braço para chegar à porta ainda antes do próprio carro dar o alarme e fiquei verde. O F. apercebeu-se então do que se passou, eu mal conseguia falar, abrandou o carro e eu fechei a porta. Ralhámos-lhe com ganas de lhe fazer sei lá o quê e depois respirei, mas mal. Só pensava no que poderia ter acontecido, imaginá-la a rebolar na estrada, enfim, o pior cenário do mundo, fiquei nauseada, a tremer.
Isto, para mim, é o pior de ser mãe. Não passar por isto? Fácil, basta não ter filhos! Mas e depois, a minha vida teria a graça e a alegria que tem hoje?! Náaaa! :)

15 outubro 2007

Chego a casa do ginásio com uma trovoada a começar e ela vem a correr, toda excitada:
-"Mamã, mamã, viste os relampes?"
:)

Mini-férias...

... foi o que fizemos nos últimos 5 dias, as primeiras férias da Mafaldinha! Escolhemos o Alto Minho para passear, uma zona bonita e com muito para ver, pena é que os monumentos em geral tenham falta de descrições para as pessoas entenderam o que estão a ver. Mas foi muito agradável, até o tempo esteve do nosso lado. As meninas portaram-se bem, embora a Camila passasse boa parte das viagens de carro a "melgar": "já vamos pró hotéle? ainda falta muito pra chegar ao hotéle? esta terra chama-se como? e agora, já tamos quase no hotéle?", que dose! :) A Mafalda dormia quase todo o tempo em que andávamos de carro, tentávamos não andar muito tempo seguido para ela não se maçar na cadeirinha.
Ficam aqui alguns flashs:


São Bento da Porta Aberta, onde ficámos instalados na Estalagem, um "hotéle" simples e simpático, com um contra para quem gostar de dormir de manhã: o sino começa a tocar às 8 até às 22 horas, tocando de quarto em quarto de hora! :D
As cores do Outono no Parque das Termas do Gerês, onde fizemos um grande colheita de folhas de todas as cores e feitios para a Camila levar para a escolinha.
Os espigueiros em Lindoso, uma paisagem e um palácio em Monção que é propriedade privada :O!



Bom Jesus de Braga, o Sameiro, a Sé de Braga, igreja e castelo de Póvoa do Lanhoso, ponte romana, paisagem, Mosteiro de S.Miguel em Cabeceiras de Basto. Nunca vi tanta igreja em tão pouco tempo, em Braga então é uma em cada rua! Na Sé de Braga vi uma imagem curiosa numa pintura, a Nossa Senhora do Leite, Nossa Senhora a amamentar, não conhecia. A Camila descobriu que a sua vocação é colocar moedas em tudo quanto é caixa de esmolas ou velinhas eléctricas, por ela corria-as todas. :))

10 outubro 2007

4 meses...

... e tanto amor, que cresce todos os dias, com tanta força como a que fazes agora para manteres a cabeça direita e olhares o Mundo à tua frente!

09 outubro 2007

"Amor" de mana

Uma noite destas, a Camila queria que eu lhe lesse uma história ao deitar, como fazemos quase todas as noites, normalmente só as duas ou então com a Mafalda, quando o pai está a trabalhar ou a dormir. Nessa noite, eu estava com a Mafalda ao colo e ela estava bastante rabugenta, a chorar cheia de sono e disse-lhe:
- Hoje se calhar não dá para contar história, fica para amanhã.
- Mas eu queria uma história, mamã...
- Ó filha, mas a mana está a precisar de ir para a caminha, não consigo contar a história com ela aqui a chorar...
- Põe-a no corredor, mamã!

Que mana tão querida, não é? :)

É nestas pequenas coisas que eu caio em mim e vejo que ela ainda é tão pequena, uma menina que adora a irmã, claro, mas que continua com todo o Mundo centrado nela. É que a maturidade das suas conversas consegue iludir-me e não só a mim, ainda há tempos, fomos a uma festa em que as pessoas que falaram com ela ficaram admiradas quando ela disse depois que tinha só 4 anos.
Optei por gozar apenas 120 dias de licença, e não os 150, porque estou agora a gozar 3 semanas de férias, portanto a Mafalda terá 4 meses e meio quando eu regressar ao trabalho, ela vai ter a sorte de ficar em casa, com o pai ou a avó ou a bisavó, e eu trabalho a 5 minutos de casa, o que facilita e muito o acompanhamento do seu desenvolvimento, assim como foi com a Camila.
Caso tivesse necessidade de a pôr numa creche agora, prescinderia do mês de salário para gozar os 150 dias, para ela ir mais crescida e com mais defesas, embora ache isso revoltante da parte dos "senhores que mandam", é uma tristeza ter que perder um salário, que faz sempre falta e cada vez mais, para ficar em casa a acompanhar um filho até aos 5 meses. É assim mais ou menos como as novas regras do abono de família, são um "enorme" incentivo à natalidade! :S

07 outubro 2007

Hoje terminam os 120 dias da minha licença de maternidade! Só me ocorre dizer: "Caraças, já passaram 120 dias?!"
O que vale é que amanhã entro de férias! :D

05 outubro 2007

O Tico...

..., um papagaio cinzento africano, veio para casa dos meus pais em Setembro de 95, com dois meses apenas. Nessa altura, era quase como um gatinho, eu andava com ele ao colo, embrulhado na minha camisa de ganga, adorava mimos. Com um ano, começou a falar, uns tímidos "olás" que entretanto se tornaram num conjunto de dezenas de palavras aprendidas em simultâneo, nunca consegui contabilizar porque aprendia umas e deixava de dizer outras. Começou a imitar as vozes, a da minha mãe na perfeição e agora a da Camila também, o ladrar dos cães, o toque do telefone, com as pausas certinhas, os assobios do meu pai. Com a idade, tornou-se mais agressivo e piorou quando saí de casa para casar. Pelo que li, estes bichos acasalam para o resto da vida e, quando estão assim numa casa, acabam por "acasalar" com quem lida mais com ele, que, até essa altura, era eu. Deixei de conseguir dar-lhe festas mas tinha sempre uma palavra para ele quando estava em casa dos meus pais. Quando engravidei, o meu pai arranjou-lhe uma grande gaiola para ele sair deste poleiro em que está na foto, ficou com mais liberdade e menos perigoso para a criança que vinha a caminho.
Ontem o Tico não resistiu a uma doença súbita e morreu, deixando um silêncio ensurdecedor naquela gaiola.

04 outubro 2007

Continuando...

... a descrever a saga das perguntas, quase todos os dias também temos esta sessão:

- Quando eu tiver 12 anos, a mana tem quantos?
- Tem 8.
- Quando eu tiver 21 anos, a mana tem quantos?
- Tem 17.
- Quando eu tiver 17 anos, a mana tem quantos?
- Tem 13.
- Quando eu tiver 32 anos, a mana tem quantos?
- Tem 28.
Quando chega a estas idades mais velhas, diz:
- Nessa idades, já não vivemos nesta casa, vivemos as duas noutra casa, não é, mamã?
- É.
Depois, continua, às vezes varia e inverte o sentido da pergunta:
- Quando a mana tiver 15 anos, eu tenho quantos?

... and so on, and so on.

Ontem, íamos a andar de carro e sai-se com esta:
- Quando estas casas estavam vazias, não haviam ninguém, como é que as pessoas nasceram?
- Ehh... as pessoas nascem das mães delas...
- Não, quando não havia mães nenhumas, como é que nasceram as mães?

Que pergunta difícil, como é que lhe explico de forma a ela entender?!, pensei eu. Depois, lembrei-me de um livro da colecção "Os Meus Primeiros Passos no Mundo" da Salvat, que fala sobre a evolução do Homem e disse-lhe que lho lia mais tarde, que acabou por ser só hoje de manhã. Fala dos dinossauros, depois os primeiros homens, a descoberta do fogo e do ferro, enfim, acho que ela captou a ideia.
Cada uma que lhe atravessa a cabeça! :)

03 outubro 2007

Esta fez-me lembrar uma da Camila, que sai de vez em quando:

- Mamã, vais ao ginásio porquê?
- Para ver se perco esta barriga...
- Ah... mas ainda está grande, mamã, ainda estás gorda! (com um grande sorriso como se estivesse a fazer o melhor elogio do Mundo)

Reflexão

De que vale reconhecer os nossos defeitos, sofrer com os erros que cometemos por causa deles, se não os conseguimos corrigir?...

02 outubro 2007

Às vezes,...

... sei que exijo dela mais do que aquilo que ela é capaz. Porque há outra mais bebé cá em casa, por achar que há coisas que ela já deveria fazer sozinha, sei lá...Obrigo-me a parar para pensar: "Ela só tem 4 anos, o que lhe estou a pedir que faça não é para a idade dela!". Mas antes de pensar isto, saem alguns disparates misturados com berros da boca para fora, às vezes uma palmada ou outra, que, quando caio em mim, me doem tanto! Há dias em que a paciência é um bem muito escasso aqui por estes lados, especialmente se se conjugarem os factores "mãe cheia de sono" com "filha cheia de sono"! Felizmente, logo a seguir damos um abraço, pedimos desculpa uma à outra e sinto-a segura do meu amor por ela, o que eu mais desejo é que essa segurança nunca lhe falhe.