25 novembro 2008

Férias!!!

Quer dizer, não vou comparecer no local de trabalho todos os dias desta semana, o que já não é mau, mas de férias esta semana tem muito pouco. Arrumações, pinturas (do escritório, com paredes branquinhas novinhas em folha, à espera de um certo talento - not!), o interminável ciclo da roupa, limpezas atrasadas... Mas isto tudo intercalado com muitos mimos às minhas princesas, especialmente à pequena, que a grande tem ido à escolinha na mesma, dá um sabor muito especial a estes dias, estava mesmo a precisar destes momentos, verdadeiros shots de bem-estar!

20 novembro 2008

Temos artista!


Como a Mafalda reparou que a mana não se inclina muito para o desenho, pensou em treinar a sua veia artística desde cedo, para ser diferente. Começou na parede do escritório, depois o lápis viajou bem juntinho à parede do corredor até à sala, onde terminou a obra prima (valeu-me o apagador mágico da Swifer, aquilo funciona mesmo!). Eu acho que ela nem se apercebeu bem do que fez, apanhou um lápis e achou piada andar a bater com ele na parede, mas é mais uma indicação da tendência para a asneira. E mais uma das diferenças entre elas, a Camila nunca fez uma destas, estou tramada com esta pequena!

19 novembro 2008

As manas

Andam numa paixão que só visto. Até à pouco tempo, a Mafalda fugia um pouco dos apertos da Camila e não a procurava muito. Agora, o que mais gosta é andar de mão dada com a irmã pela casa, com a Camila a incluí-la no seu mundo de fantasia "Agora, vamos à loja das pulseiras, Mafalda", "Anda, tráz o teu bebé, vamos ao médico, que eles estão doentes", e a pequena a olhá-la muito séria, muito entendida e a seguir as instruções da grande, lindo de se ver. Estão numa fase de grande interacção, de muitos mimos uma com a outra mas também de birras, querem sempre o que a outra tem na mão (isto verifica-se nos dois sentidos). Estão a crescer felizes e eu sou feliz por ter o privilégio de acompanhar esse crescimento.

Adopção

Ao almoço, vi a notícia sobre o 1º Congresso Internacional da Adopção. Houve uma altura, sempre que falávamos em ter 3 filhos, eu dizia que o 3º poderia ser adoptado e o F. concordava com a ideia. Depois da Mafalda nascer, essa ideia apagou-se um bocado em mim, quero muito viver mais uma gravidez, e comecei, na altura, a pôr em dúvida a minha capacidade de receber um filho do coração, se seria capaz de aceitar e tolerar os seus defeitos e apreciar as suas qualidades da mesma forma que o faço com as filhas de sangue. Porque acho que, para receber uma criança, teria que ter o coração aberto para amá-la como os outros e nunca pôr a hipótese de rejeição, como diziam, na notícia, que foi o que aconteceu em 30 casos este ano, nem consigo imaginar a dor que isso traz para a criança.
Voltámos a falar disso hoje, questinámo-nos se seríamos mesmo capazes. A convicção no "sim" não é a 100 % mas a ideia não está toda de parte. Na reportagem seguinte, mostraram um casal de irmãos são-tomenses adoptados por um casal português quando estavam muito doentes e na miséria, e o brilho nos olhos da menina, ao dizer que estava quase a chegar o Natal, emocionou-me. Gostava muito de me sentir capaz de fazer alguém tão feliz assim.

17 novembro 2008

No espectáculo de ontem, além das danças das meninas da escolinha de dança da Camila, houve também ballet à séria, com tutus e pontas, executado por umas alunas maiores de outra escola associada. Não sei porquê, mas ver uma bailarina emociona-me, arrepia-me, traz-me a lágrima à beirinha do olho, acho que é a leveza, a harmonia dos movimentos tão bem casados com a música, é lindo, lindo de mais!
Por isso, até estou com medo da minha reacção quando, um dia destes, for ver isto:
A minha reacção natural conjugada com a emoção da surpresa que a Camila vai ter quando se vir a assistir a um ballet... acho que vou parecer uma antêntica Maria Madalena, que vergonha! :)

Tenho dias...

... em que duvido da minha capacidade em ser mãe, em que acho que elas mereciam bem melhor do que eu, uma gaja stressada, sem paciência, sempre a gritar. Este fim-de-semana foi uma dessas alturas. Acho que tenho como atenuante ser o fim-de-semana em que o pai trabalha 3 noites seguidas e, por isso, tem que dormir durante o dia e eu ando constantemente a pedir à grande que não fale alto, que não bata com as portas, que não faça a irmã gritar, e isto enerva, enerva muito, por andar sempre a bater na mesma tecla e, por outro lado, achar que é contra-natura tentar calar 2 crianças durante dois dias. Ando numa tensão tão grande que chego ao domingo à noite com uma dor de costas horrível, vale-me que hoje há massagem do osteopata para aliviar. E por causa desses nervos, dessa tensão, falo-lhes mal, especialmente à grande, que já entende, pressiono-a, o que leva a reacções ainda mais negativas da parte dela, fica mais teimosa e mais "do contra". Não tenho paciência nenhuma, esgoto-me e sinto-me uma m#$"&a de mãe porque elas não têm culpa que o pai tenha que dormir de dia e eu devia ser mais paciente e mais calma, porque eu sei que assim elas se tornam mais cooperantes e mais calmas também, já o confirmei. Mas, às vezes, é mais forte do que eu, e sai uma ou outra palmada, que eu sei que vai resolver muito pouco ou nada e que, depois, me vai doer mais a mim.
Ontem tive uma manhã destas, muito má, mas foi melhorando a partir do almoço, esforcei-me para evitar o conflito porque, ao final da tarde, a Camila participou em mais um espectáculo de dança e eu não queria que ela se enervasse. E o dia acabou sereno, com ela cansada mas feliz, por ter tido tanta gente que a ama a vê-la brilhar. E o abraço que me deu, já enfiada entre os lençóis, fez-me desejar ser muito melhor. Queria dizer a seguir "E vou conseguir!", mas, conhecendo-me, digo apenas que vou tentando, todos os dias.

13 novembro 2008

Chegou do passeio...

... queixosa, que lhe doía o rabo porque bateu com ele no chão ao sair do escorrega do parque que visitaram. À noite, continuava a queixar-se e eu comecei a ficar preocupada, mas hoje disse que já não lhe doía muito. O passeio incluiu a visita a um lagar de azeite e, quando lhe pedi para me explicar o que tinha visto e como se fazia o azeite, a primeira resposta foi:
- "Foi a primeira vez que fui, não sou capaz de te explicar!"- xiça, que até para isto a cachopa é preguiçosa! :)
Depois de puxar mais um pouco, lá explicou o que viu, com muitos movimentos dos braços, "era uma coisa à roda, à roda, para lavar as azeitonas, depois uma coisa à roda, à roda, para tirturar e saía uma massa e depois saía um líquido da massa, que é o azeite...". Ainda soltou a imaginação e inventou que eram pessoas que agarravam na massa e apertavam com as mãos, eu olhei-a de lado e ela "ah não, era uma máquina, tava a brincar contigo", agora é a saída dela quando a apanho a inventar ou a mentir.
Fico aflita com os passeios, por causa das viagens e por eles serem muitos para poucas mãos, mas eu sei que eles se portam muito melhor com as educadoras e gosto que ela vá, aprende sempre qualquer coisa.

12 novembro 2008

Quando é que...

... uma pessoa se habitua aos passeios escolares dos filhos?! Eu já tenho 2 anos de experiência mas não há maneira, hoje vai ser mais um dia daqueles de coração apertado, canininho, canininho... :S

11 novembro 2008

Uma simples mistura de água e sabão...

... faz aparecer este sorriso lindo, um dos meus tesouros mais preciosos!

10 novembro 2008

Aos 17 meses,...


... a Mafalda usa (e ainda lhe sobra) um vestido que a Camila usava aos 9-10 meses! Ficam com uma noção do quanto elas são diferentes nos tamanhos. :)

O 1º rabo-de-cavalo


Rabo-de-pónei, vá... um pónei daqueles muito pequeninos :))

07 novembro 2008

Ando a ressacar!....

Há duas semanas, fui a uma consulta de osteopatia, à procura de um alívio para as dores das minhas costas. A consulta foi apenas de avaliação e durou duas horas. Gostei da filosofia da coisa, do equilíbrio entre o físico, o emocional e a nutrição e tal, o senhor osteopata fez-me vários testes, ao nível do funcionamento dos orgãos internos, estado emocional, com resultados que me impressionaram. Um desses testes determinava que alimentos contribuem para o desequilíbrio do meu organismo e o resultado foram 5 alimentos: o perú, o ganso, o camarão, o café e ... o chocolate!!! Pois parece que o chocolate me faz mal, a mim, uma choco-viciada! Propôs que eu retirasse estes alimentos da minha alimentação durante um mês para ver o resultado, por isso ando aqui há duas semanas sem pôr um quadradinho de chocolate na boca, ai quem me acode! Já falhei no acordo, comi umas coisitas com chocolate por cima, mas uma insignificância, posso dizer que reduzi uns 98 %, de vez em quando dá-me cá umas ânsias, uma vontade doida de atacar o saco de chocolates que a Camila recolheu, no sábado passado, a pedir o Pão-por-Deus! E as saudades de um quadradinho de Côte d'Or com amêndoas caramelizadas com um toque de sal, a minha mais recente paixão! Já estou a salivar aqui para cima do teclado, aiiii...

05 novembro 2008

Passam hoje 10 anos...

... sobre a minha última vivência de vida académica em Coimbra, o meu rasganço. Fomos duas, as primeiras do nosso ano a terminar o curso, as colegas ávidas de nos porem a roupa em farrapos... teve o seu quê de assustador, sentir tantas mãos em cima de mim, mas foi muito giro e emotivo, é um momento a recordar para sempre, assim como o jantar e a piela que se seguiram! :D

03 novembro 2008

Muito trabalho+

pouca disponibilidade em casa para sentar ao computador= blogue paradito.