25 maio 2012

Choque frontal com a realidade é...

... ir à nutricionista, por coincidência exactamente um ano depois da última vez, em que me encontrava grávida de 15 semanas, e ter agora mais 2 quilos do que tinha então! Costurar esta boquinha, era como eu me vingava!

21 maio 2012

Uns têm falcões nas floreiras,...

... outros têm um ninho de passarinhos não identificados no tubo de ventilação da casa-de-banho. A tampa do exterior caiu e o pais pássaros trataram de construir moradia bem abrigados junto à tampa interior. Há umas semanas, comecei por ver a tampa a querer sair e umas palhinhas a sair pela grelha, até que espreitei e percebi o que se passava. Desde há cerca de semana e meia que ouvimos um piar constante e não resistir a ir espreitar os bebés. São pelo menos 4 e fazem um grande xinfrim, especialmente quando começa a nascer o sol, mas até se torna engraçado. Agora tenho que esperar para limpar o tubo e colocar a tampa no sítio até que os "piu-pius" bebés aprendam a voar.


Ama(menta)r

Amamentar, amar... Misturam-se as palavras e os seus significados, tão interligados entre si. É um acto de amor que, no caso do Francisco, é uma verdadeira adoração, é o nosso momento, em que ele e eu respiramos ao mesmo ritmo, pele com pele, a mão dele no meu cabelo ou a acariciar o meu peito. Não digo que tudo seja rosas nisto da amamentação, há todo o processo inicial que pode ser doloroso e depois a dependência, que é o que mais me angustia, imaginar que ele pode estar com fome e não estar ao pé dele. Mas não há nada mais prático do que dar mama, sempre à temperatura ideal, sempre pronto a servir. E ele mama em qualquer lado, desde que não haja público que o distraia, não pode ouvir ninguém a falar que larga logo a mama para ver ver quem falou, é um cusco.
Aos 6 meses, ainda mama 5 ou 6 vezes por dia, só come uma refeição sem ser leite. Exige muito de mim, às vezes canso-me um bocado, custa-me especialmente durante a noite, mas compensa vê-lo crescer com o meu alimento e ver a satisfação que ele sente enquanto mama. Espero que dure até que ele queira (a não ser que me morda quando tiver dentes, já o fez sem dentes e dói que se farta!) e que seja benéfico para ele e aprazível para mim.

Na praia, na semana passada

17 maio 2012

Meio ano de azul


Seis meses tão ricos de emoções, incrivelmente rápidos, vividos muito intensamente, aproveitando cada momento de descoberta do mundo por parte deste rapazinho por quem estou perdidamente  enamorada, o meu Francisco.

16 maio 2012

Primeira Comunhão

A Primeira Comunhão da Camila foi no passado sábado, pelas 18h. Estava muito calor e a capela ficou um forno mas correu bem, eram 12 meninos e meninas todos embonecados. A Camila levou um vestido simples mas bonito e adequado à cerimónia, na minha opinião, conjugado com umas sabrinas prateadas e ganchos prateados na cabeça, estava linda, a minha princesa grande! 

 Aqui o bolinho que fiz para partilhar com os avós e os tios, na pequena reunião familiar depois da missa.

15 maio 2012

Ela é...

... roupa pelo chão e alguém que apanhe se quiser, ela é respostas tortas e disparatadas (como quando sabe onde estou, porque acabou de me ver passar, eu chamar "Camila, chega aqui!" e ela responder "Onde?" - fico passada!), ela é meia hora para começar a tomar o pequeno-almoço, a passarinhar pela cozinha sem nexo (do género: abrir a gaveta dos talheres, ver que não há colheres pequenas e saber que estão todas na máquina de lavar, mas fica a contemplar a gaveta, à espera que as colheres nasçam por lá!), ela é eu gastar minutos preciosos a apanhar-lhe o cabelo, elásticos e ganchinhos e tudo e tudo, porque logo tem dança e ela pôr, logo a seguir, o chapéu na cabeça e ficar toda despenteada, quando nem está sol e quando, nos dias em que está sol, ela nunca se lembra do chapéu. Isto tudo concentrado em 40 minutos logo depois de acordar de mais uma noite de uma série delas mal dormidas (aqui ela não tem culpa nenhuma) transforma-me em qualquer coisa nada boa de ver e ouvir e só me leva a pensar que ela anda a tentar tudo para me pôr na ala psiquiátrica do hospital. :-S
Devo estar a falhar em alguma coisa, certamente, mas onde?...

Uma pilha de nervos pela manhã...

... com a mais velha é uma óptima maneira de "comemorar" o Dia da Família! :-(

10 maio 2012

Um mês para os 5 anos...

... e a cachopa já não se aguenta. "Sabes quanto falta, mamã? E eu vou receber muitas prendas, pois vou? E vou convidar os meus amigos A, B, C, D....". Anda tão entusiasmada que eu espero conseguir preparar uma festinha que não defraude as suas expectativas, é que esta cabeça anda a mil com tanta coisa lá dentro! Os parabéns do Panda, que teve nos últimos anos, já eram, não fui a tempo. Mas não vou falhar com o mais importante, a minha pequenina merece! :-)

Quem tem 3, tem 4?!

Para mim, não. Há muita gente a achar isso, pela quantidade de vezes que mo sugerem, bolas! Passar de 2 para 3 é quase chocante mas, depois disso, pelos vistos, é sempre a abrir! Pois comigo, não, 3 é a conta certa, e, nos tempos de hoje, já é uma pequena loucura, como costumo dizer. Mesmo que fosse mais nova e rica, não me aventurava a ter mais filhos, acho que 3 é o meu limite para conseguir ser eu a orientá-los, educá-los, conhecê-los... Nas famílias mais numerosas, acredito que acabem por ser os mais velhos quase a criar os mais novos, acho praticamente impossível que não seja assim, não há pais super-homem/super-mulher. Eu já conto com a Camila para pequenas tarefas com os irmãos, e faz-lhe só bem, cria sentido de responsabilidade, mas acho que ela não deveria ficar sobrecarregada com isso se os pais decidissem ter mais filhos, não seria justo. E quero ser eu a mãe de todos por igual, conseguir atender às necessidades específicas da idade de cada um, assegurar-lhes que estou com eles sempre que precisem de mim. Por isso, não há planos para o quarto, ficamos por aqui. E ficamos muito bem!

01 maio 2012

Um casamento no próximo sábado...

... e o que vestir às pequenas, com este tempinho?! Eu vou ter que me arranjar com o que tenho porque estou de castigo, não há compras de roupa enquanto não perder peso. O Francisco já tem fatiota, para elas é que está mais difícil adaptar vestidinhos frescos a este tempo horroroso. E estando elas constipadas e com tosse, piora um pouco. São Pedro, um pouquito de sol, vá lá, pode ser?