10 março 2014

11 Anos

Nasci como mãe há 11 anos. O que antes sonhara ou projectara caiu-me no colo com 3,380 kg, numa avalanche de emoções e sentimentos: felicidade, (algum) medo, amor, esperança...
Não há poder igual, o de criar alguém. Não há presidente, rei, ministro, que tenha poder maior do que este. Com a Camila, cada vez me sinto mais um pouco espectadora e menos criadora. Dói, porque ainda é cedo, ainda ontem nasceu, ainda é tão "a minha menina", mas não deixa de ser uma benção maravilhosa, ver um ser humano desenvolver-se à nossa frente, vê-la adquirir capacidades, tornar-se uma miúda gira, ser única e especial.
Hoje faz 11 anos que abracei este desafio, o maior e mais maravilhoso de todos os desafios da Humanidade. Parabéns, minha filha!

09 março 2014

Francisquices

Há dias, a Mafalda perdeu o 3º dente. Ao deitar, quando nos preparávamos para o colocar debaixo da almofada para a Fada dos Dentes, o Francisco pergunta: "O qu'é ixo?", ao que eu respondo: "É o dente da Mafalda, caiu. Vês, tem ali um buraco!". Ele dispara logo: "Ó Mafaúa, põe fita-cóia!".

:-D

A vidinha vai correndo...

... e só isso já não é mau. Às vezes, cansa de ser tão "vidinha" mas, quando foge um pouco disso durante algum tempo, pensa-se logo: "ai quem me dera a minha vidinha de volta!". Por isso, estamos bem. Os cachopos a crescer todos os dias, a fazerem de mim alguém com mais experiência de vida, ou mais velha, vá, felizmente com saúde e sem darem chatices das grandes. 
Neste tempo, aconteceram coisas que certamente mereciam ser guardadas na Arca mas nunca consigo ganhar ao relógio, é tramado. Vão perder-se, certamente, porque a minha memória anda fraquinha, fraquinha... O que fica gravado a fogo é o cheiro da pele, o calor do abraço e o amor que rebenta no meu coração de cada vez que a lembrança deles atravessa a minha mente, isso não perderei nunca.

Phuuuu, phuuu...

... 'á lá arejar isto, que é só pó!
:-)